terça-feira, maio 24, 2016

(des)acordo ortográgico

Este redactor estava claramente indeciso entre o anterior acordo, o que actualmente vigora e o futuro...
Todo, tudo, facto, fato, nos, nós, nus... icebergue, carlsberg, Spielberg, vai tudo dar ao mesmo!

quinta-feira, maio 05, 2016

vou só deixar aqui esta nota sobre a euribor

Deixa lá ver se percebi bem... quando em 2008 as instituições bancárias pediam spreads (margem de lucro do banco) baixinhos e o crédito era para todos, a euribor foi até "às nuvens" e quem tinha empréstimos viu-se e desejou-se para cumprir com os pagamentos, agora que o crédito não é para todos, os spreads pedidos pelos bancos são altos e a euribor desceu para valores negativos, os bancos não podem pagar pelos empréstimos dados aos clientes.
Espera lá! Podem receber as margens maiores nos spreads de empréstimos novos e ainda querem ir meter as unhas nos empréstimos antigos porque os bancos já não devem pagar?!

E porque é que disto não se fala mais do que uma nota numa coluna e uma peça no telejornal de um canal público?

quarta-feira, maio 04, 2016

lá se foi o D. Sebastião

origem da foto aqui
Parece que agora é de vez... o D. Sebastião não volta com nevoeiro ou sem nevoeiro e, como se já não bastasse, ainda andam por aí a tombar-lhe as estátuas.
Um jovem (?) de 24 anos trepou ao nicho onde a estátua se encontrava na estação do Rossio e, cmo queria ser engraçadinho, acabou por destruir a estátua... as notícias apareceram e os comentários sucederam-se, mas por entre uns quantos que li, maioritariamente a criticar o jovem e a pedir/exigir uma punição à altura, vi um que, de tão desenquadrado da restante corrente, me saltou à vista.

Impressionante. Pagar a estátua, cadeia e quem sabe apedrejamento em praça pública.
Claro que foi uma coisa estúpida, mas, certamente, o rapaz não tinha qualquer intenção de provocar o dito acidente e nunca lhe deve ter passado pela cabeça que iria dar um fanico à estátua. Foi apenas um acidente, certamente com V. Exas. comentadores daqui, já devem ter tido muitos, mas, provavelmente tiveram mais sorte e os acidentes não fizeram tanto estardalhaço.
É chato, sim, mas não é nada de grave. Coisas graves temos muitas, no país e no mundo e gente mal formada e mal intencionada ainda mais.
Aliás, o próprio do D. Sebastião também fez uma coisa muito estúpida, muito mais estúpida, e com graves consequências para ele próprio, para os que o acompanharam a África e para Portugal. Também era jovem,acontece que todos os que morreram, ficaram estropiados ou foram feitos prisioneiros eram de carne e osso e não estátuas inanimadas.

A resposta que faltava:
De facto, temos coisas graves, muito graves, por resolver no nosso país, no entanto não é isso que está em questão aqui. Em questão está, a completa falta de responsabilidade de um "jovem" de 24 anos que quis ser original numa fotografia, incorrendo para isso num crime previsto e punido no código penal (dano qualificado) com direito a pena de prisão até 5 anos ou pena de multa até 600 dia.
Numa altura em que, a informação está ao dispor de praticamente todos e em praticamente todo o lado, é capaz de ser "só um bocadinho estúpido" ter a ideia e achar que é boa ideia ao ponto de a pôr em prática... demasiado estúpido para um "jovem" daquela idade e, claramente, a comentadora está ao nível do "jovem", quer ao nível de conhecimentos sobre leis, quer ao nível de desconhecer o que é viver em sociedade, ao nível do respeito para com a história, o património, as pessoas e tudo o que foi feito para ter o pouco que se tem, quer até também ao nível do egocentrismo desmesurado que prolifera "por aí", ao ponto de chamar sobre si a atenção comentando de forma contrária ao que é esperado. O seu comentário está ao nível do acto do rapaz... desfasado da realidade.

terça-feira, maio 03, 2016

taxistas

Até aceitaria as queixas dos taxistas na novela Uber, afinal de contas, é um serviço que lhes faz concorrência directa (e, poder-se-á mesmo considerar "feroz", pois recorre a uma plataforma simples e mais barata, até para o cliente) mas, há que ver que não haverá, por parte do cliente final (e do público em geral) grande apetite de defender a causa dos taxistas.
Se formos a ver, estamos a falar de uma classe trabalhadora que, sempre que é apresentada uma alternativa à mobilidade, reclama sempre negativamente. Quando se falou em deixar os motociclistas circularem pelas vias destinadas aos transportes públicos (muitas vezes chamadas de faixas de Bus), eles foram contra, aquando do debate da "nova" 2ª circular, fAntral tem feito o que pode (e o que não deve fazer) para proteger os seus interesses prejudicando muitas grupos maiores ou menores de utilizadores da via pública, muitas vezes com comentários despropositados (a raiar o estúpido) por parte das caras que a representam, o que não lhes abona nada a favor em situações como esta da Uber. 
oram contra os ciclistas, até nesta situação da Uber, alguns conseguiram estar contra outros da mesma classe (houve táxis pontapeados por taxistas e pneus furados captados em vídeo)! A
Não é comum ver este nível de fanatismo por futebol ou política e, verdade seja dita, há que admirar a garra com que lutam... mas como no futebol e na política (defesa da cor), a incapacidade de olhar para os próprios erros e os excessos cometidos, acabam sempre por prejudicar a própria cor.

Nota: os taxistas têm, na sua maioria, uma conduta desadequada no convívio em via pública, são, na sua maioria, desrespeitadores do código da estrada e desprovidos de uma conduta ética básica e essencial para a função que desempenham (servir o público), no entanto, deixei de fora essas questões e muitas outras no texto principal, o que interessa é o facto de "serem do contra" em tudo o que possa melhorar/agilizar a mobilidade dentro das cidades.

despistado ao volante xv