sábado, outubro 30, 2010

octavia III

"Para te dar uma comparação entre o octavia e o meu (velho) carro... tu jogas futebol, mas também o podes jogar numa consola, certo? Na consola, és mais rápido, mais eficaz e fazes coisas que, quando jogas futebol, não consegues fazer, e no jogo em campo, ainda corres o risco de levar umas caneladas, no entanto, a satisfação que tens no final do jogo é muito maior! Acho que é o melhor termo de comparação que te consigo arranjar."

sexta-feira, outubro 29, 2010

ironia

Deixa-me cá ver... tive dois acidentes de viação com viaturas do trabalho, em nenhum dos casos a culpa foi minha, em nenhum dos casos me encontrava a desrespeitar qualquer regra do código da estrada, e em nenhum dos casos poderia fazer o que fosse para evitar o acidente, e o que faz a minha "entidade patronal"? Manda-me ter formação sobre condução! Nem sei se deva rir ou chorar...

segunda-feira, outubro 25, 2010

octavia II

Ainda sobre a experiência de condução (pode chamar-se isso ao que eu estava a fazer?), vou ter que repetir mais testes destes nos próximos tempos... e a ideia não me agrada nada!
Agrada-me a melhoria significativa de desempenho da "alma", mas não me agrada mesmo nada que essa alma venha agarrada a tanta porcaria que em nada difere do que a microsoft faz... software com base em zeros e uns que faz funcionar hardware de uma determinada maneira... dão-me um sentimento de segurança, que instintivamente tomo como "falso". A experiência foi/é vazia de... sentimento? Pode-se falar de sentimento? De paixão, de arrepios e daquela presença no limiar "está quase... quase... quase... não fugiu!"? Os sentidos são quase que suprimidos, não se ouve, a visão é toldada, e...
Progredir e acompanhar os tempos... parece-me algo tão difícil. Resistência a mudança é uma característica do ser humano, e poucos são os que não a sentem (ou sentem, mas não o admitem), e avizinham-se ainda mais mudanças, mais do que já houve neste último ano, pelo andar da "evolução", vou acabar por ficar "imune" à mudança.

(mais rápido, mais eficiente, mais seguro, mais tudo, até mais "sem sal"!)

domingo, outubro 24, 2010

desencanto

Será falta de paixão pelas coisas do dia-a-dia?

quarta-feira, outubro 20, 2010

7 meses?!

Funcionários do instituto da mobilidade e dos transportes terrestre no primeiro dia do ano...
- Quem é que vamos atrasar desta vez?
- Tira à sorte uma letra!
- Deixa cá desembrulhar o papelinho... é o pê!
- Boa! Esses só lhes pegamos depois das férias do Verão!

... e assim fiquei eu, e mais alguém com o nome a começar pela mesma letra, pendurados sete meses à espera de receber a carta de condução alterada... mas ao menos não me mudaram o nome!

geocaching...

... é giro, traz desenvoltura cerebral, aprende-se um pouco de tudo, e faz-se exercício pela manhã... pela tarde... pela noite, em conjunto com os amigos. Isto promete longas caminhadas!

terça-feira, outubro 19, 2010

octavia I

Por cortesia de um dos patrocinadores da world bike tour, fui fazer um test-drive a um skoda, já não fazia um há uns anos, e se da última vez ia de espírito aberto (e não de bolsa aberta, que isso de carros novos não me fica nada bem), desta ia decidido a fazer o teste para... puder falar mal com conhecimento de causa!
Meia dúzia de palavras com o funcionário (colaborador! nunca mais me adapto) e lá estava eu, dentro de uma combi (?) dessa marca que é um parente barato da vw... 15 a 20 minutos por minha conta, seria fácil encontrar coisas para falar mal! Era uma carrinha, pesada e cheia de mordomias, que na maior parte dos casos nem sei para que servem, era a gasóleo (coisa que está na moda mas é um disparate a meu ver, tal como os carros híbridos, mas até esses são a gasolina) com um motor de "baixa" cilindrada... seria demasiado fácil...

Sentei-me, ajustei a profundidade, as costas e a altura do banco, regulei os espelhos, coloquei o cinto... a caixa parecia agradável, a direcção era demasiado assistida (ahã!), o pedal da embraiagem era esponjoso (ahãããã!), não se ouvia o motor, e os aparelhómetros tinham uma informação digital mesmo à frente do meu nariz que não parecia servir para nada (indicava se deveria mudar de mudança, e para qual... dah!).
Circular em mau piso não é "bom" (eu bem sabia que isto era um tupperware!), ao fim de alguns quilómetros em empedrado arriscava-me naquele instante a dizer que "deve ser uma bela merda", escolhi um percurso que conheço e onde passei dezenas de vez, faz parte do trajecto do trabalho, e lá fui eu avaliar o "comportamento" daquele "rabo gordo"... abusei um pouco, pois havia margem para isso, foi possivelmente, de todas, a vez que mais rápido ali passei (hm?!), e na curva mais apertada, encostei o acelerador ao fundo, sentia-se a electrónica a trabalhar, não ganhava velocidade, os pneus não chiavam, a trajectória não alargava, não era preciso corrigir nada na direcção, nem os ressaltos do pavimento fizeram a Octavia mudar de rota! Mais adiante repeti a dose! E em curvas onde, quem não acerta com os tempos, desafina a música toda... nada! Nem um centímetro! Nada de nada!

Voltei para casa triste... compreendo que, a bem da segurança rodoviária, haja todo um arsenal de electrónica que trabalha preventivamente para evitar o acidente, e isso, actualmente faz com que qualquer primata consiga conduzir um automóvel... o que mais triste me deixou, não foi o facto de todo o gozo e prazer que me dá a condução ter sido removido do acto de conduzir por um imenso polvo que se estende a toda a máquina e que se chama Electrónica, é ter noção da quantidade de acidentes, de feridos e de mortos que ainda há todos os dias nas estradas, quando os automóveis são assim, indistintos, neutros, perdoadores e seguros.

sexta-feira, outubro 15, 2010

preto vs laranja

Ainda não faz muito tempo que destruí, por incineração, um cartão de débito integralmente preto (acho que foi o primeiro que tive), coincidente com a fase "sempre de preto"... será coincidência receber um novo cartão integralmente laranja quando ando de laranja?
Se este post é fútil e estúpido? É, mas esta cor foi uma "cicatriz" que ficou.

haja paciência

Não bastava ser forçado a chegar atrasado ao trabalho (diabo do trânsito! se os tempos são de crise, de onde raio saíram tantos carros para entupir as artérias da cidade?) e tinha que começar a "bicha doida" espavorida a proferir impropérios logo de manhã por causa de um carro "mal estacionado" porque queria regar as plantas e a mangueira ficava presa nos pneus... felizmente voltei atrás para o fazer calar depois de já lhe ter dito duas verdades, já lhe estavam a tirar as medidas - pode tirar o carro?! - perguntou-me com maus modos e voz estridente - não tiro! está mal, pode ir à volta! - ah e tal ameaças de ir fazer queixinhas ao chefe, pode fazer ao chefe, ao papa, ou ao presidente, tanto me faz, o carro não sai dali!
(deverá ser o equivalente masculino-larilas do síndrome pré-menstrual que algumas mulheres por vezes padecem)

quinta-feira, outubro 14, 2010

leave forever

É uma das frases da música que tenho como toque de telemóvel... uma dessas músicas tirada de uma qualquer série de culto nipónica sobre um sujeito meio desligado do mundo que ajuda o pai fazendo entregas durante a noite com um charuto velho sobrevalorizado (dizem alguns) devido à performance nessa mesma série...
Leave forever, já foi coisa que me apeteceu mais fazer... e acabei por fazer, mas ainda me apetece às vezes... afinal de contas o meu equilíbrio, tal como se estuda em transmissão de calor e em termodinâmica, não é este, é algo isobárico, isotrópico, isocórico e mais uma quantidade de iso-qualquer-coisa!
O ritmo a que "queimo" é demasiado acelerado e parece que o mundo não me acompanha, o tempo sim (esse é até mais rápido), mas o mundo não. Os dias sucedem-se de tal maneira que lhes perco a conta (o único mais folgado é domingo, e folgado é nitidamente um abuso de linguagem), desde muito cedo até demasiado tarde, com algum esforço físico e concentração no início, e com demasiada necessidade de concentração na parte final... dormir apenas seis a sete horas não me é natural, dou tantas vezes comigo a fechar os olhos sucumbindo ao sono apenas porque me sento algures e paro durante uns minutos... ao menos no peso não se nota!
Mudei de cores, mudei de filosofia de encarar estas coisas, mudei de atitude, arranquei com o que tinha de bagagem de outra casa, e consegui resultados! Se fiquei satisfeito? Devo dizer que não... em duas "wildcards" despachei uma, inglês técnico, graças à literatura dedicada a um carro alemão (hm?!?) e apenas mais três em seis, nitidamente pouco e resultados tirados a ferros! Pareciam parelhas de números extraídos de uma linha de código binário!
Nas conversas típicas de "o que vais ter agora?" dizem-me, por vezes, que vou bem embalado... lamentavelmente não sinto isso. Queria mais, mais resultados positivos e melhores! Tenho-me socorrido das memórias "da outra casa", e essas não vão durar para sempre, diria mesmo que este semestre será suficiente para esgotar a bagagem que tinha e talvez até suplanta-la, e daí em diante tudo será novo... mas dá-me algum (ou talvez bastante) gozo quando numa disciplina "matematicodependente" pedem para efectuar o cálculo de um integral (cálculo de áreas de forma erudita, vá) e ficam à espera dos resultados pela parte da assistência, essas coisas do demónio acabam por sair de forma algo natural, algo como se fizessem parte do meu cérebro, guardadas num armário ferrugento e poeirento de fechaduras arrombadas numa sala que ninguém visita... dá-me gozo, admito.
No entanto, falta-me tempo, muito tempo, tempo para mim, para dormir, para não fazer ponta de corno, para passar um fim-de-semana (e já eram tão poucos) longe de casa, falta-me tempo para estar de volta do six... diabo! Falta-me tempo até para beber um café com os amigos! E queimo, queimo a uma taxa de variação demasiado elevada... ou despacho isto, ou isto vai dar cabo de mim!

domingo, outubro 10, 2010

estatística

A minha opinião sobre estatística, e as mais variadas formas de converter dados em números e números em outros números, sempre foi que apenas serviam para tapar os olhos a quem não quer ver... e cada vez mais me convenço disso mesmo...
Alguém que me diga, se fizer o favor, para que diabo serve tanta complicação com números!

sábado, outubro 02, 2010

i fell like...

... a superhero stalker :\

Thow, it fells nice to "know" that some people are still around in some way :)