domingo, novembro 17, 2013

my thoughts exactly



Se já havia ideias de merda, agora a google consegui ser melhor (ou pior) que todas as anteriores catástrofes... misturar duas coisas, uma delas, que apesar de boa, não teve adesão (o google+ parece uma palete de cores/tópicos que baralha as vistas a qualquer um!) e a outra que para além de boa tinha uma excelente adesão... agora conseguiram "recavar" tudo!

sexta-feira, novembro 08, 2013

gatos brancos de olhos azuis...

... são, por questões genéticas, duros de ouvido, moucos, surdos que nem penedos... às vezes.
Convenhamos que, os gatos só têm ouvidos porque aquelas orelhas "queridas e fofas" tinham que ligar a alguma coisa... sejamos francos, falar com um gato ou falar com uma parede é, basicamente, a mesma coisa, falar com ambos resulta numa reacção nula... e nem adianta colocar parabólicas para melhorar a recepção, o resultado é o mesmo!
Estamos a realizar a experiência cá em casa com a Sina e... a recepção continua péssima!

quinta-feira, outubro 31, 2013

halloween 2013

The pumpkin headed rider is coming to get you! Muahahahahah! Or not...

terça-feira, outubro 29, 2013

why we ride

"I think it’s like learning to play the violin, it’s just hideous and then all of a sudden it’s like like- oh my god, I know how to ride this thing now."

segunda-feira, setembro 23, 2013

a primeira vez

Chegar ao estacionamento de uma grande superfície comercial e deslocar-se muito devagar para a zona dos motociclos evitando as lombas de velocidade e os movimentos bruscos.
Cruzar o olhar com um motociclista que tinha vindo de avião (uma XX) e já estava a tirar as luvas, parar a medo para não fazer nenhum disparate a baixa velocidade potenciado pela gravidade, olhar para o lado e receber um aceno de capacete retribuído prontamente...

Que diabo, já aqui vim tantas vezes, parei nesta mesma zona, cruzei-me com tantos motociclistas e nunca antes me tinham cumprimentado...
Ah... já sei! Das outras vezes vinha de scooter.

sexta-feira, setembro 06, 2013

5 efeitos secundários de começar a andar em duas rodas...

A página Visor Down contém alguma informação útil e interessante (e até bem disposta) no que toca ao universo das duas rodas. Numa das visitas que fiz a página dei com um artigo sobre as "5 coisas que ninguém nos disse sobre nos tornarmos motociclistas" (5 things no-one told you about becaming a biker), sendo elas:
  1. tornar-te-ás impaciente no trânsito - algo do género "nesse espaço cabia um autocarro... atravessado!";
  2. idosos vão abordar-te e falar contigo sobre a mota que tiveram - deve ser karma para compensar a fuga das sala de espera dos consultórios médicos;
  3. quando dizes que és motociclista vão imaginar-te feio, porco e mau - a típica imagem do "biker" americano... acrescentando o volume abdominal às três anteriores qualidades;
  4. os insectos vão assustar-te... muito! - se antigamente não percebias qual era o alarido com uma vespa, depois de te entrar uma no capacete, cada vez que vires uma vais entrar em pânico;
  5. não cumprimentas toda a gente - cumprimentas as scooters, mas não cumprimentas os "ferros", aquele era simpático e cumprimentou... o seguinte cumprimentas e não te responde, quais são as excepções mesmo?

Com este artigo da Visor Down cheguei à conclusão que, em cinco, já passei por quatro delas... e só porque nunca me apresentei como motociclista!

segunda-feira, setembro 02, 2013

slide and splash

Retirado de um fórum dedicado a veículos de duas rodas. Há que referir ainda que. esta conversa vinha no seguimento de uma queda de um dos participantes no fórum devido a ter escorregado numa passadeira num dia de chuva.
"É que a minha mulher já esqueceu o susto que apanhamos quase parados a fazer uma rotunda no nosso primeiro carro: Corsa A com pneus mesmo da treta. Nem a 10km/h ia e o carro foi em frente. Depois no meu Clio I meti logo bons pneus e aí já brincava com o carro com estrada molhada e em 1 ano que o tive nunca apanhei sustos. No meu Laguna I que tenho de momento é igual. Tenho bons pneus e já entrei em aquaplaning mais que uma vez, brinco nas rotundas a ver até onde o carro agarra e maravilha!!! Já passei a abrir ao pé de Mercedes e eles muito devagarinho e porquê? Bons carros muitas vezes para se fazerem de grandes mas quando toca a pneus metem do mais rasca que há e apanham sustos!!!"
Para alguém que anda na estrada, o comportamento é exemplar, não só se coloca em risco a si próprio, como coloca em risco os demais utilizadores da via pública porque... tem bons pneus então pode "brincar" a ver se encontra o limite de aderência enquanto passa a abrir por outros automóveis que, seja por falta de mãos, por falta de pneus, ou simplesmente por consciência dos condutores, decidem ir mais devagar.
Depois quando acontecem os acidentes... havia gasóleo no asfalto!

A resposta que faltava: 
Era capaz de ser boa ideia deixar de ser imbecil e ter comportamentos dignos quando conduz, seja em que condições for, mas em particular, em chuva. Que queira bater com os cornos numa parede e matar-se, é lá consigo, mas não perturbe a vida dos outros dessa forma. Não imponha a outrem o trauma da sua morte num acidente por si provocado. Quando chover, leve o cérebro, ou então, não conduza, a segurança de todos fica a ganhar!

sexta-feira, agosto 02, 2013

magic moment

Isto era um sugestão no YouTube e ao ver este vídeo, onde David Coulthard conduz o velho Lotus 25, fez finalmente sentido o porquê de ouvir tantas vezes o nome Jim Clark quando era pequeno. Ouvi-o mais vezes do que ouvi falar do penta-campeão Juan Manuel Fangio, e foi-me sempre dito pela mesma pessoa enquanto se fazia a viagem de férias... e geralmente já na parte sinuosa da viagem, era uma curva à Jim Clark!

sexta-feira, junho 21, 2013

wing commander

Ahhh... tantas horas passadas com os amigos a tentar passar missões com animações de má qualidade que nos pareciam fantásticas e que nos obrigavam a arrancar os 386 especificamente configurados para conseguirmos jogar sem ter de abdicar da qualidade gráfica... o Wing Commander era um hino à "cromo" que havia em cada um de nós que se estendeu para os restantes títulos criados dentro da mesma temática até ao spin-off Privateer em que o contrabando era a maneira de ganhar muito dinheiro e ao Strike Commander passado num futuro não muito distante (2011?! LOL) em que o petróleo era cada vez mais escasso e os mercenários tinham ganho asas, voávamos num F-16 Fighting Falcon dos Wildcats tentando manter as contas fora do vermelho. Como dizia o Virgil "something that we never run out off is red ink!"... a vida era tão fácil, mas tudo parecia ser um drama enorme e agora é tudo tão "pateta" quando se olha para trás :)

sábado, junho 15, 2013

a poupança (extrema) de combustível

O stress é inimigo da condução económica... e eu "stresso-me" ao volante quando me estorvam! Hoje optei por conduzir em modo "turismo estorvado", que é como quem diz, deixar que todos os automobilistas de fim-de-semana me estorvassem adaptando a condução à mais pura e imensa ronha possível de ter quando me sento ao volante...
Em pouco mais de 125km, em que me apeteceu cortar os pulsos uma quantidade considerável de vezes, o indicador dos consumos médios informava-me que "nunca fizeste consumos tão bons!"... o que me leva a perguntar, porque raio esta gente não conduz assim durante os dias de semana? A resposta é tão simples "stress"... por ir trabalhar, por ter horas marcadas, por ter responsabilidades, por ter obrigações, para tentar evitar que alguém lhe passe à frente no cruzamento... stress porque stress!
E mesmo assim, no modo mais amorfo possível, senti-me estorvado...

quarta-feira, maio 22, 2013

ironia dos descontos

Apresentar o cartão de sócio do Sport Lisboa e Benfica nos postos da Repsol para ter direito a descontos...

sexta-feira, abril 26, 2013

o ódio de estimação pelo automóvel... em números!

Denota-se um crescente ódio pelo automóvel, por ser poluente, por ocupar demasiado espaço, por ser caro e por ser poluente (não, não me estou a repetir, a maioria dos que odeiam o automóvel batem-se sempre com a vertente eco-totó).
Há dias tive uma troca de palavras sobre a questão da despesa mensal que é um automóvel, e mesmo se não houve vencedor nem vencido, a prova de que o automóvel é um meio de transporte aceitável ficou dada publicamente mesmo quando teimavam afincadamente que "transportes públicos é que é", mesmo que, em condições muito particulares.
A nível energético é óbvio que é mais caro alimentar todos os carros do que alimentar apenas transportes públicos, nem é necessário fazer contas para chegar a essa conclusão, mas e o orçamento familiar?
Começando por basear a deslocações no preço das casas que são mais baratas na periferia do que na cidade (e com melhores condições), as deslocações para o trabalho (no centro da cidade) são necessariamente maiores, e eis a parte onde entram os números.
As condições do exemplo que dei na discussão são, duas pessoas deslocarem-se no mesmo carro para o centro da cidade totalizando 60 quilómetros, o carro fica com quem pode estacionar sem a despesa do parquímetro, contabilizando o IUC de um automóvel anterior a 2007, as IPO, o seguro obrigatório e a manutenção do mesmo (uma revisão por ano e um par de pneus) versus o L123 que necessitaria para fazer a mesma deslocação para uma pessoa (seriam necessários dois para o agregado familiar)... o tempo de deslocação foi "considerado" como uma questão de "conforto".

As despesas mensais seriam:
  • Dois L123 custariam 134€;
  • O automóvel mais vendido em Portugal (Renault Mégane 1.5dci que gasta 5.8l/100km) custaria cerca de 167.00€;
  • A mota mais vendida em Portugal (Honda NC700X que gasta 3.6l/100km) custaria cerca de 111.67€;
  • A scooter mais vendida em Portugal (Honda PCX 125 que gasta 2.6l/100km) custaria cerca de 80.96€;
  • O automóvel híbrido mais comum em Portugal (Toyota Prius que gasta 5.2l/100km) custaria cerca de 172.06€;
  • O carro a GPL escolhido ao "acaso" (Toyota Corolla que gasta 8.0l/100km) custa cerca de 140.45€.
O que me parece interessante é:
- A moda das duas rodas (scooter ou mota) é plenamente justificada, apesar de desagradável na altura do Inverno;
- O híbrido está ao nível de despesa do motor a gasóleo (os valores são sem intervenções extra revisão, quer de danos quer de problemas mecânicos, onde a história seria diferente certamente);
- Duas scooter fazem a mesma despesa de um carro a gasóleo;
- O carro a GPL é mais barato do que o carro a gasóleo?!
- Os transportes públicos ficam mais baratos do que qualquer das hipóteses de quatro rodas mas apenas por uma diferença de 6.45€ para o convertido a GPL.
- Os eco-totós que defendem os transportes públicos, o andar de bicicleta, o andar a pé, as paneleirices de duas e quatro rodas movidas a electricidade de certeza que moram muito perto do trabalho!

vencedora da economia

sexta-feira, abril 19, 2013

grunge

Ora aí está (mais) um estilo de música que me passou ao lado na altura em que estava "na moda", no entanto, agora que já é considerado "clássico" e que passa na rádio como algo distante retirado do baú das memórias e recordações, parece-me que soa bem melhor, Grunge, soa definitivamente melhor ouvido como algo clássico.
E melhor ainda em versão "cover amarela"!

quinta-feira, abril 04, 2013

vai e não voltes!

Com jeito Miguel Relvas ainda pede equivalência a Presidente da República, assim como assim, a merda é a mesma! Só é pena o Steps Rabbit não lhe seguir o exemplo!

quarta-feira, abril 03, 2013

ambiente de sala de espera

Só o nome já arrepia! Sala de espera define local onde se deita fora tempo e, até há bem pouco tempo, era muitas vezes um suplício passar horas numa "sala de espera". Continua a ser um suplício, mas actualmente é visível que as pessoas se limitam a esperar, sem qualquer necessidade de interagir entre elas preferindo interagir com o telemóvel.
Este centrar das atenções na electrónica de bolso leva a que haja um decréscimo acentuado das espécies que têm o seu habitat natural nas salas de espera... o "partilhador de vida própria" e o "engraçado". O primeiro faz da história da sua família uma novela mexicana, daquelas que aparenta não ter fim, uma novela composta por um drama, polvilhada com situações dramáticas e cheia pormenores de fino recorte dramático, o segundo, fala alto de maneira a chamar a atenção sobre si mesmo e insiste nas piadas de bolso de qualidade duvidosa e, regra geral, pouco eficazes.
Não lamento o desaparecimento destas espécies, se para a primeira uma sequência de "sim... pois... acontece... é a vida... pois" eram suficientes para os manter a pensar que lhes estávamos a dar a atenção que acham que merecem, já o segundo implica todo um complexo movimento facial devidamente enquadrado e aceite culturalmente como "um sorriso"... pessoalmente saiam-me mais esgares compreendidos como escárnio ou como dor... benditos aparelhos electrónicos por melhorarem os tempos espera e as respectivas torturas!

quarta-feira, março 27, 2013

one does not simply... II

Sócrates e a sua cara de pau voltaram "lá da" França para grande desagrado da maioria dos Portugueses que actualmente pagam pelas cagadas que o sujeito fez enquanto andou a brincar com o dinheiro dos outros (de todos nós). Devo dizer que não vi a entrevista, não sei do que falou, limito-me a...

one does not simply... I


a guerra dos comprimentos de onda

O vermelho e o laranja contra o verde e amarelo, que é como quem diz a parceria Continente/Galp e a Pingo Doce/BP... agora, ambos prometem descontos em combustível, mas será que há alguma vantagem?

No caso do Continente e da Galp, é necessário fazer compras no continente em valor superior a 30€ de forma a receber um talão para apresentar num posto da Galp aderente e receber 10 cêntimos por cada litro mediante que não ponha mais do que 60 litros e, de acordo com a informação passada no início da campanha (apesar da omissão na página), não abasteça GPL.
Os talões emitidos pelo Continente e que têm que ser apresentados no posto da Galp juntamente com o cartão Continente têm uma duração de 21 dias e são válidos apenas e só para o cartão Continente apresentado aquando das compras no hipermercado.

Olhando para o novo cartão do Pingo Doce que dá descontos na BP, a despesa mínima no supermercado são os mesmos 30€ sobre os quais são atribuídos 2€ no cartão com a validade de dois meses podendo ser descontados em abastecimentos superiores a 12 litros (lá ficam prejudicados uma boa parte dos motociclistas) e com a possibilidade de poder usar vários descontos do mesmo tipo, ou seja, se tiver efectuado compras mais que uma vez no supermercado nas quais teve direito ao valor a acumular no cartão, pode usar todos num único abastecimento de combustível.

Qual o melhor? Nenhum!
Num modelo teórico onde se aproveitassem ambos os descontos ao máximo, o resultado final é um "empate técnico". 
A diferença, na realidade, é limitada às diferenças de preço praticadas quer nos produtos dos hipermercados quer nas gasolineiras... nada melhor que continuar a comparar preços antes de comprar, quer no supermercado quer nos combustíveis.

segunda-feira, março 25, 2013

fazer um Button

Acto ou efeito de parar na boxe da equipa pela qual se competiu no passado recente.

Hamilton, nas suas próprias palavras, fez um Button! Passou pela boxe da McLaren para cumprimentar a malta que ali estava, ou quem sabe, para os convidar para um copo ao fim da corrida (se fosse o Raikkonen seria um convite para um gelado)... pelo menos parece que foi assim que o pessoal da McLaren compreendeu o episódio, a avaliar pelo comentário no twitter
Compreende-se a confusão (e até a picardia), afinal de contas, Hamilton e Button até foram Tooned em conjunto!

quinta-feira, março 21, 2013

dia 21 de Março

Ayrton Senna da Silva teria feito hoje 53 anos (foto do seu ambiente natural, ao volante um McLaren no circuito do Mónaco).

terça-feira, março 19, 2013

o dia do pai

Ou dia de S. José... o José é o "santo" que me foi guiando nesta ou naquela direcção, que me deu na cabeça até me esgotar a paciência durante anos a fio para me fazer melhor porque "podia sempre ser melhor", foi também o meu primeiro herói e será o único a manter esse estatuto de herói inalterado porque me educou, porque tantas vezes me chamou à razão, porque me protegeu e porque, mesmo sem nunca o saber, era como ele que eu queria ser quando fosse grande.
O meu fascínio esteve sempre guardado numa foto a preto e branco tirada em Nova Lisboa ainda antes de eu nascer. Uma foto onde se vê um homem magro e de capacete branco que olhava para um Chevron em três rodas... foi ali que nasceu o meu herói!

O dia do pai... é quando um filho quiser!

segunda-feira, março 18, 2013

a onda das duas rodas

"a" 125 azul
Os veículos de as duas rodas são sem dúvida responsáveis por uma parte considerável da queda no consumo dos combustíveis, basta reparar na abundante proliferação destes veículos pelas cidades (à porta de um centro comercial no centro de Lisboa vi cerca de 20 estacionadas das quais metade eram scooters como a da foto). Este crescimento dá origem a alguns ódios de estimação por nem sempre o convívio entre duas e quatro rodas ser o mais "educado" mas, passando para o outro lado da barricada, é um descanso arranjar lugar para estacionar e de facto pouco ou nada se pára no trânsito (e sim, eu agradeço as atenções dos automobilistas quando me facilitam a vida).
Sim, eu automobilista, apaixonado por automóveis desde que tenho memória, que estava em pulgas para ter idade para tirar a carta e poder conduzir, desloco-me em duas rodas quando preciso de ir a Lisboa em hora de ponta. Pior que a minha conversão a uma necessidade é... apreciar "isto" de andar em duas rodas.
Tudo bem, tudo bem! Eu vou arder no inferno por isto, mas há dias voltava para casa já de noite e num ponto menos iluminado da via que seguia deparei-me com o céu, e tinha estrelas! Onde diabo se esconde ele quando ali passo de automóvel?! Agradou-me... talvez agora perceba todos aqueles argumentos nas inúmeras discussões com os verdadeiros "motards" e a saudade com que alguns falam dos dias algures no passados em que andavam em duas rodas... querem lá ver que ainda me converto por gosto?

segunda-feira, março 04, 2013

mundial de fórmula 1

Está para breve o início da nova época do circo de fórmula um! Com várias novidades a nível de pilotos e com a uma quantidade considerável de pilotos que deram nas vistas a época passada e que mudaram de equipa... espera-se pelo menos algo ao nível do ano passado, em que foi preciso quase meio campeonato para se repetir um vencedor de prova!
Pena é que, com os que entram e os que mudam, um em particular tenha ficado de fora, Kamui Kobayashi, o japonês (por muitos considerado o melhor piloto japonês alguma vez a chegar à fórmula 1) capaz de inventar ultrapassagens no último instante e nos locais mais improváveis... para quem ia à sua frente.
Espero que a sua ausência do escalão mais alto do automobilismo (aqui acrescente o "em pista") não seja demorada e que para o ano nos passa prendar com mais um pouco disto...



Animação deste nível é sempre muito bem-vinda!

sexta-feira, fevereiro 01, 2013

carro abalroado por DOIS comboios no Cartaxo

Esta notícia pode ser lida na página da SIC notícias e pelos vistos a causa deste acidente foi... estupidez humana. Alguém se lembrou de contornar as cancelas fechadas ignorando também os avisos luminosos que, apesar das greves, estavam a funcionar.
Mas há algo que é visível nas fotos que não é referido na notícia dada pela SIC, algo que há cerca de dois anos gerou muita polémica, um acidente com um carro movido a GPL.
Depósito de GPL
Desta vez, como "não aconteceu nada de extraordinário" para além do acidente por si só, a notícia omite o facto do Honda HRV que se vê parado nas fotos à frente de um Alfa Pendular  usar GPL como combustível porque não causou uma catástrofe com uma explosão digna de Hollywood (nem imagino a conta que o seguro do condutor vai ter na reparação do material circulante).
A SIC notícias podia (deveria) ter feito referência a este facto, afinal de contas, o automóvel (e o equipamento suplementar nele montado) levaram com dois (!) comboios e não houve explosão, o que mostra bem que as normas apertadas sobre tudo o que envolve este tipo de combustível FUNCIONAM! 
Isto prova que ninguém vai "subir na vida" por "andar com uma bilha" às costas... pelo menos não o vai fazer de uma forma brusca e descontrolada.

quarta-feira, janeiro 30, 2013

música

Depois revolução que foi a portabilidade da música e depois da imensa miniaturização dos suportes de música, recentemente apareceu a nuvem. E esta não é das cinzentas!
Conjugando, temos um sistema hi-fi da Pioneer, onde se liga um dispositivo móvel a Apple, que corre uma página de internet, a Grooveshark, que lhe chega por uma rede sem fios e onde é dada toda a liberdade de escolha no que toca a música que se pretende ouvir em casa... ou na rua, ou no carro, emitindo para o ar ou directamente para o ouvido (e isto um serviço bem melhor do que o da music box e grátis).
Mediante que a guitarra seja tocada com distorção de tal forma que nem um morto ficaria indiferente ... pode passar cá por casa!
Quem pode não gostar é a vizinhança, mas ao menos o rebento do casal do andar de baixo há-de saber desde tenra idade que música é tocada por pessoas e não por computadores e que a música não é só a batucada importada de África (ou da Damaia)!
Sim, porque agora é legítimo dizer que, o Heavy Metal é uma religião! Amém!

domingo, janeiro 20, 2013

ACA-M

"(...) 68% das mortes entre atropelados são de facto mortos nas passadeiras. O que significa, por um lado, que não há respeito dos automobilistas pelos peões, e por outro lado, as chamadas passagens de peões, não são configuradas convenientemente (...)" por Manuel João Ramos presidente da Associação de Cidadãos Auto-Mobilizados.

Lamento que, ainda assim, lhe falte um lado. Apesar de respeitar o que a ACA-M faz (se bem que por vezes cai um pouco no exagero) bem como o que foi dito nesta notícia, é pena que não veja o lado do automobilista, o terceiro lado.
68% das mortes por atropelamento dão-se em passadeiras, mas não culpe só os automobilistas e quem escolhe a localização das passadeiras, culpe também os peões, os que fazem da passadeira uma continuação do passeio e que se julgam, erradamente, com prioridade, que se julgam indestrutíveis e que são irresponsáveis, quer para consigo próprios, quer para com o automobilista. A culpa nunca é só de um lado, e a ACA-M não deveria fazer vista grossa ao comportamento idiota de alguns dos peões que engrossam esta lamentável estatística.

Sobre os ciclistas que são notícia na mesma peça... sendo quase todos portadores de carta de condução, é vergonhosa a conduta que apresentam quando circulam na via pública, pois o código da estrada (mesmo que deva ser alterado para lhes atribuir um "estatuto" adequado) não lhes permite circular paralelamente a outro ciclista, não lhes permite passar sinais vermelhos, não lhes permite usar as passadeiras quando estão montados nas bicicletas, não lhes permite andar contra o sentido do trânsito e não lhes permite circular nos passeios, e todos os dias, todos os dias sem excepção eu vejo fazer isto. Há falta de respeito, mas mais uma vez, não é só por parte dos automobilistas.

feup, take dois

Mais uma vez alguém da FEUP, faculdade de engenharia da universidade do Porto, voltou a dizer disparates na televisão... será que não aprendem?!
Desta vez foi sobre uma peça, que passou no telejornal da RTP, sobre a queda das vendas de veículos eléctricos. As causas da queda nas vendas não são relevantes no contexto do que o indivíduo em questão disse (fim dos benefícios fiscais, falta de postos de abastecimento... ), o que o indivíduo disse foi "um 1500 ou um 1600 a gasóleo gasta na ordem dos oito a dez euros por 100 quilómetros, enquanto o eléctrico gasta um euro" (só um pequeno à parte, 10€ gastava o meu e era um 1600 a gasolina!).

Não desfazendo nas contas sobre o veículo do carro eléctrico (não vou argumentar nas despesas do eléctrico porque não faço ideia da despesa, mas continuo a achar ridículo batalharem na mobilidade eléctrica num país que não está minimamente estruturado para a ter), as contas aos motores de ciclo Diesel estão nitidamente mal feitas!
Se um pequeno Diesel gastar na ordem dos 5 litros para percorrer 100 quilómetro (e conheço bastantes automobilistas a fazer menos que isso), ao preço actual de referência da Golp (perdão! Galp) de 1,474€ por litro dá uma despesa de 7,37€... contas bem feitas portanto. Posso ainda acrescentar que há híbridos japoneses a fazer cerca de 3,5 litros para os mesmos 100 quilómetros, o que daria uma despesa de 5,79€.
Mais? Seja! Um Nissan Leaf custa 35.990€ (1€/100km), um Auris híbrido custa 25.675€ (5l/100km ou 8,27€/100km). Assim de repente são mais de 10 mil euros de diferença dentro de carros da mesma classe, o que dá para fazer mais 141.884km com o Auris híbrido até a despesa de aquisição ser diluída com as deslocações... errrr... como as nossas cidades estão bem pensadas para estas "modernices", é normal fazer cerca de 50 quilómetros por dia no trajecto casa-trabalho-casa onde os quilómetros "grátis" do Auris, em comparação com o Leaf, davam para circular sete anos e nove meses, coisa de pouca monta!