sábado, dezembro 30, 2006

futilidades

- Então?! Telemóvel novo?
- Yeap!
- Tem bluetooth?
- Não.
- Leitor de mp3?
- Não...
- Tira fotos de 2.0 mega pixels?
- Não!
- Então... ? Para que é que o queres?
- Para receber e fazer chamadas (dah)!

sexta-feira, dezembro 29, 2006

nacional geografic: o tampo de sanita (ou mania nº 2)

Se há uma coisa que me faz mesmo espécie... é um tampo de sanita!
Longas são as discussões no que toca a tão peculiar objecto que tem como nobre função... servir de "ponto-de-repouso".
Na nossa espécie os machos tem por hábito deixá-lo para cima, enquanto que as fêmeas embirram em deixar o mesmo para baixo. Nunca consegui perceber esta discussão, esta tão dispare forma de ver um mesmo objecto... elas alegam que é a "pior sensação do mundo" sentar o rabo em loiça frio, mas no entanto queixam-se se eles não a levantam quando praticam "tiro-ao-alvo" e falham. Aliás, o facto de um macho baixa o tampo depois de "alvejar" é considerado, entre a sociedade macha, um sinal de "quem-usa-as-calças-lá-em-casa-é-ela", ou, no período de corte, um sinal inequívoco do macho em querer agradar à fêmea, pois é um dos pontos fulcrais onde se pode avaliar o grau de "domesticação" do macho pela fêmea.

Eu por mim falo, tenho uma casa de banho só para mim, deixo-o como bem me apetece! Mas devo admitir, que tenho a mania de baixar sempre o tampo quando saio da banheira. É um gesto pleno de um automatismo quase inexplicável, não fosse o tampo o último reduto de forma a manter a posição vertical aquando de uma valente escorregadela ao sair do banho... que por acaso nunca me aconteceu... mas, pelo sim, pelo não, nunca fiando.

quinta-feira, dezembro 28, 2006

graciosidade

Que Deus nos perdoe por sermos um país tão pequeno para uma Prima de arte (e alma) tão grande...

quarta-feira, dezembro 27, 2006

raise & fall

Acho que só mais logo é que me vai fazer efeito, quando me deitar... naquele curto espaço de vigília que antecede o sono... falta de sincronismo, falta de entendimento, falta de maturidade, faltava-me uma semana assim para compreender (e avaliar) certas coisas... uma hipótese, um telefonema, uma mudança de planos repentina, sem notícia, uma possibilidade... uma possibilidade que não deu em nada.

"É ter subido ao céu, para me deixarem cair..."


Ainda não me fez efeito, o efeito completo, vou senti-lo amanhã no escuro de uma sala cheia de gente... em que estarei sozinho.

segunda-feira, dezembro 25, 2006

natal iii

Mensagens (sms) bem dispostas, divertidas, originais e outras. Umas sentidas outras nem tanto... sim, outras nem tanto, porque vão iguais para todos, o que interessa é enviar!
Dentro desta forma de celebrar o natal, não sei bem como, nem porquê, este ano houve muita gente a substituir o S. Nicolau porque uma rena estava embriagada (destas recebi para cima de meia dúzia!)... houve quem acabasse a noite de natal metido dentro de um saco por um tipo gordo, só porque se lembravam de pedir a amizade (e era lá preciso meter alguém num saco?)... houve quem fizesse referências a músicas de natal (all i want for christmas is youuuuuuuuu) ... houve ainda quem mandasse mensagens para os que nunca esqueciam (destas gostei particularmente de duas devido ao remetente)... houve quem tivesse apenas mandado um beijo (vindo de quem veio, era sentido... toutavertou)... e depois houve tempo para uma imensidão de "felicidades", "boas festas" e "bom natal"...eu sei lá! Havia de tudo para todos os gostos, tudo a bem do natal...

Eu cá prefiro dizer apenas:
Juntem em vosso redor quem amam... mas não esperem pelo natal!... Aproveitem os feriados, um ou outro fim-de-semana, ou até mesmo as eleições! Qualquer razão é uma boa razão ;-)

domingo, dezembro 24, 2006

sábado, dezembro 23, 2006

mocho galego

Athene noctua

Espécie de pequeno tamanho, atinge os 23 cm de comprimento.

A cabeça é arredondada com os olhos de cor amarelada.

Alimentação muito variada, constituída por roedores, insectos e pequenos répteis e anfíbios.

Nidifica em buracos de árvores, muros ou tocas abandonadas.

A postura é constituída por 3-5 ovos que são incubados durante 22 a 28 dias.

Têm actividade diurna e nocturna, repousa por vezes em postes ou em fios telefónicos.

Apanha as presas caindo sobre elas de um poiso ou voando e observando a pouca altura.

Caminha frequentemente pelo chão à procura de insectos e vermes.

Frequenta uma grande diversidade de habitats, sobretudo em planície e planalto.

segunda-feira, dezembro 18, 2006

quando...

... se vai lanchar às 16hrs num sítio apinhado de gente porque calha em caminho de todos;
... há gente na mesa que diz que vai deixar de fumar por questões de saúde;
... se fala da melhor maneira de investir dinheiro;
... é calculado até ao mais ínfimo detalhe o custo de manutenção de um qualquer automóvel;
... se fala em casar porque dá 11 dias de balda no trabalho;
... se faz contas a quanto mês sobra no final do ordenado;

Isto é?

sábado, dezembro 16, 2006

rabiscos e letras (ou mania nº 1)

Rabiscar... Como diria o Ricardo "é o acto ou efeito de" fazer rabiscos ou garatujas, de traçar riscos ao acaso.

- Então o jantar é o quê? - perguntaram-me pelo telefone... enquanto a conversa se desviava para respostas compostas por palavras monosilábicas, e o cérebro se colocava naquele estado de latência designado por "isto-está-mesmo-a-ser-uma-seca-de-dia", um calendário de mesa (daqueles que abarca todo o tampo da mesa) tinha uns rabiscos... números de telefone, nomes, recados e simples riscos... a conversa estava animada - Sim... não... não... sim... - a caneta tinha vontade própria (o cérebro estava em energy-saving-mode), e o risco foi crescendo... ganhando curvas... diferentes espessuras... outros riscos separados daquele... circunferências... diagonais e verticais... arcos ovais... e traços horizontais... - Até logo... - tlim, fez o telefone ao mesmo tempo que o cérebro despertava... os olhos focaram... era um nome! O risco, tinha dado um nome!
(foi assim, há quase um ano, que me apercebi :$)

natal ii

... ou a teoria da estupidez ao volante!

Artº 235º
Em caso de entroncamento, deve-se atravessar o carro na faixa de rodagem de forma a não permitir a passagem de ninguém (este procedimento deve ser efectuado sem olhar para qualquer dos lados para o caos gerado ser maior). Caso apareça um automobilista surpreendido com a esta sua manobra, deverá parar a sua viatura imediatamente a fim de facilitar o impacto.

Artº 279, nº 2
O procedimento de espera aquando da paragem num semáforo vermelho deverá ser com a embraiagem a fundo, e a marcha à ré engrenada, de modo a surpreender o condutor que o precede evitando assim que ele se aproxime em demasia do seu automóvel.

Colocam radares... há cada vez mais carros descaracterizados a circular para punir o automobilista... nestas alturas de festas, há mais policiamento e fiscalização nas estradas... gostava de fazer uma pergunta:
Se não sabem as regras, se o automóvel é um bicho de sete cabeças, se não conseguem demonstrar o mínimo de respeito pelos outros, se sabem que nestas alturas de compras (vulgo natal) há muito mais veículos nas estradas, se simplesmente compraram a carta, ou lhes saiu num pacote de farinha que compraram a semana passada... PORQUE É QUE NÃO ANDAM A PÉ?! Dasss!

segunda-feira, dezembro 11, 2006

natal

Posso pedir uma "coisa"?
Gostava de pedir...
Posso?
Poooooosso?
Posso mesmo?Bolinhos pequeninos!

terça-feira, dezembro 05, 2006

mau (início de) dia

O telefone tocou. Ao atender, ouviu a voz de alguém que lhe era particularmente importante. A conversa, essa já ele esperava mais cedo ou mais tarde. Havia alterações, mudanças, que se impunham... coisas da vida! Eram como... duas linhas parelelas... mas que nunca se tocam entre si. Ele ficaria bem, havia prometido que sim... mesmo assim, ao desligar, não pode deixar de maldizer o destino, mas só e apenas, para com os seus botões.
Parece que havia greve dos transportes, as ruas da cidade estavam cheias de um colesterol de diversas cores e tamanhos. Acabou por chegar atrasado ao emprego... o trânsito a isso o obrigou, mas quem manda, não tem esses problemas... não precisa de cumprir horários.
Quem poderia ser agora? O telefone voltava a dar sinal... atendeu... estupefacto, deixou-o cair... pegou nas suas coisas, deixou o computador ligado, ouviu o chefe chamá-lo, e saiu sem dar explicações a ninguém... meteu-se no carro cor de prata e... parecia um avião prester a lançar-se no ar!
Estava frente a uma mulher... abraçava-a, enquanto ela tentava dizer qualquer coisa... qualquer coisa que ele queria saber, tinha que saber! Já não era nada cedo, desde manhã cedo que não comia... entraram num café cheio de gente... sentaram-se onde era possível. Enquanto a mulher que o havia colocado neste mundo, lhe contava a situação estúpida e descabida que havia levado a este fim, ele sentia uma imensa angústia sufocar-lhe o peito... uma imensa e crescente angústia conforme ia visualizando, com os olhos da mente, o que se tinha passado mais cedo nesse dia... pousou os cotovelos no tampo da mesa, e segurou a cabeça numa posição em que ninguém, nem mesmo sua mãe lhe podesse ver os olhos... podia dar-se ao luxo de chorar?... deixou a mágoa inundar-lhe os olhos... e chorou. Seu pai estava morto...

(medicamento não sujeito a receita médica, em caso de dúvida ou persistência dos sintomas consulte o seu médico)

segunda-feira, dezembro 04, 2006

direito


conjunto de leis e disposições legais que regulam obrigatoriamente as relações da sociedade, quer do ponto de vista da sociedade, quer do ponto de vista das pessoas, quer do ponto de vista dos bens.