segunda-feira, outubro 10, 2011

uma parte da causa

Em minha defesa só tenho a dizer o seguinte: estou a trabalhar no mesmo sítio vai a caminho de oito anos, e actualmente, estou a ganhar praticamente o mesmo que ganhava quando comecei a trabalhar ali, no entanto os combustíveis têm quase mais 50% em cima, a electricidade, a água e o gás têm pelo menos 10%, o tabaco está perto 25% o café e a cerveja estão pela hora da morte e por aí em diante. Claro que isto são tudo despesas que se conseguem reduzir ou eliminar completamente, mas também me lembro dos impostos directos serem bem mais baixos... a culpa, em muitos casos, da despesa ser tão grande vem do hábito de "levar para casa" porque "pode fazer jeito", e isto é um grande rombo no bolso do patrão. Uma caixa de canetas, uma resma de papel, um tinteiro para a impressora, uma saboneteira, toalhetes de casa-de-banho, e por aí em diante, a lista não tem fim e há até coisas completamente descabidas como sacos de cimento e vedações, sem esquecer os combustíveis e as telecomunicações. Depois há ainda as combinações entre estes, como por exemplo impressões a pontapés de capas de DVD e CD que "paga o patrão", e até o download ilegal é feito "à conta do patrão", se isto multiplicarmos por um universo considerável de trabalhadores (da posição mais baixa à mais alta) o buraco torna-se apreciável e os cortes inevitáveis, para mal dos pecados de quem não tem este tipo de atitudes e que se limita apenas a ir ao local de trabalho para, surpresa, trabalhar.
Enviar um comentário